Como ser um carnívoro vegetariano

Estudo mostra como pandas-gigantes fazem para comer tanta proteína quantos seus parentes que comem carne.

A ordem Carnivora inclui a maioria dos mamíferos que se alimenta de outros vertebrados: gatos, cachorros, ursos, lontras, focas, quatis, hienas e outros tantos. Mas o nome da ordem pode causar mal-entendidos, pois, por um lado, nem todo mamífero que come carne pertence à ordem Carnivora e, por outro lado, a maioria dos que pertencem também come vegetais. Pertencer à família Carnivora, como a qualquer outra linhagem de seres vivos, depende da relação de parentesco, não da dieta. Tanto é assim que uma espécie da ordem Carnivora é vegetariana.

Por muito tempo debateu-se quem eram os parentes mais próximos dos pandas-gigantes. Comparações de DNA mostraram que eles são uma das oito espécies viventes de ursos. O urso-polar é quase exclusivamente carnívoro, alimentando-se principalmente de focas. Mas vegetais compõem uma parte importante da dieta da maioria dos outros ursos. Por exemplo, ursos-negros adoram frutas e ursos-de óculos, nativos da América do Sul, comem grandes quantidades de bromélias. Os pandas-gigantes, nativos da região central da China, comem, quase exclusivamente, bambu.

Abandonar por completo o consumo de carne demanda algumas adaptações. Mamíferos que se alimentam de folhas dependem de bactérias simbiontes alojadas em seu trato digestivo que são capazes de digerir a celulose por fermentação. Adaptações morfológicas como molares grandes, intestinos longos e compartimentalizados também são frequentes em herbívoros.

Os pandas-gigantes possuem algumas notáveis adaptações à sua dieta. A mais famosa é a presença de um falso sexto dedo – uma espécie de joanete gigante – que ele usa como polegar para arrancar folhas dos ramos. Mas seu trato digestivo, dos dentes pontudos ao intestino curto, é típico de animais carnívoros. Até mesmo sua flora intestinal se parece mais a de um carnívoro do que a de um herbívoro.

Um estudo publicado este mês na revista Current Biology, realizado por cientistas da China e Austrália, ajuda a entender como os pandas-gigantes driblaram suas restrições morfológicas e fisiológicas para poder levar uma vida vegetariana. O ponto fundamental da pesquisa foi mudar a abordagem. Em vez de perguntar a qual nível trófico pertence a comida dos pandas-gigantes – se ela é vegetal ou animal –, eles perguntaram qual a porcentagem das três principais categorias de macronutrientes da sua dieta: proteína, carboidrato e gordura.

Para responder essa pergunta, eles monitoraram vários indivíduos de pandas-gigantes durante um ano inteiro. A escala temporal do estudo foi fundamental, pois bambus são gramíneas, e, como toda gramínea, eles têm um ciclo sincronizado de germinação, floração e morte. O estudo mostrou que, de agosto a março, os pandas-gigantes se alimentam de uma espécie de bambu (Bashania fargesii) que germina nas terras mais baixas. À medida que essa espécie cresce e os brotos desaparecem, os pandas-gigantes passam a comer suas folhas, mais ricas em proteínas do que os caules fibrosos. Logo, no fim do verão, migram para as montanhas, onde outra espécie de bambu (Fargesia qinlingensis) está germinando e passam a comer seus brotos, depois suas folhas.

Comparando a composição nutricional desses alimentos e analisando o que não estava digerido nas fezes, o estudo mostrou que os pandas-gigantes possuem uma dieta composta por 61% de proteínas, 23% de carboidratos e 16% de lipídios, proporção que é similar à dieta de outros carnívoros. Mais ainda, a proporção de nutrientes no leite dos panda-gigantes também se parece ao de outros carnívoros, mostrando que a dieta rica em proteínas está presente em outras etapas do ciclo de vida.

O estudo ajuda a entender um controverso resultado publicado no início de 2019, afirmando que os ancestrais dos pandas-gigantes se tornaram vegetarianos muito mais recentemente do que se acreditava. A mudança de dieta não dependeria de grandes adaptações morfológicas, mas da emergência de uma cultura alimentar sincronizada à fenologia dos bambus na China.

Como escreveu Piaget, o comportamento é um dos motores da evolução.

 

João Francisco Botelho (PUC de Chile)

 

Para saber mais:

Han H, Wei W, Hu Y, Nie Y, Ji X, Yan L, et al. Diet Evolution and Habitat Contraction of Giant Pandas via Stable Isotope Analysis. Curr Biol. 2019;29(4):664-9.e2.

Machovsky-Capuska GE, Senior AM, Simpson SJ, Raubenheimer D. The Multidimensional Nutritional Niche. Trends Ecol Evol. 2016;31(5):355-65.

Nie Y, Wei F, Zhou W, Hu Y, Senior AM, Wu Q, et al. Giant Pandas Are Macronutritional Carnivores. Curr Biol. In press

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.